Tropa de elite

Por | 19:40 Comente


Eu vi esse texto e como eu ainda nao vi Tropa de elite porque quero ver no cinema, vai ai para quem ja viu e pergunta: Vale a pena conferir no cinema???


Depois de conferir a versão pirata de “Tropa de elite”, muita gente deve estar se perguntando: será que vale a pena assistir ao filme na tela grande? A resposta é sim. O longa-metragem oficial traz cinco minutos a mais, uma nova narração e melhorias significativas no som. Como resultado, o que já era considerado bom ficou ainda melhor.


Na essência, a trama continua a mesma, sem grandes surpresas ou mudanças no final, mas a edição de diversas cenas foi refeita, com imagens acrescidas e outras cortadas.

O filme será exibido nesta quinta-feira (20) na sessão de gala que marca a abertura do Festival do Rio, fechada para convidados. O público poderá conferir a produção na sexta-feira, às 23h45, no Espaço de Cinema, também no evento. A estréia no circuito comercial é prevista para 12 de outubro.



Confira dicas de filmes do Festival do Rio

“Tropa de elite” revela os bastidores da atuação de policiais do Batalhão de Operações Especiais do Rio (Bope) em favelas cariocas. Na trama, Wagner Moura vive o capitão Nascimento, veterano do batalhão que busca um sucessor em sua função, para poder largar o dia-a-dia extremamente violento de seu trabalho. Numa operação, ele conhece Neto (Caio Junqueira) e André Matias (André Ramiro), que se candidatam à vaga, mas terão de provar que agüentam o tranco.




Agora com 115 minutos, o longa-metragem não é mais dividido em blocos, que apresentavam cada um dos personagens na cópia pirata. Há apenas duas divisórias pelo caminho: “seis meses antes” e “dois meses antes da chegada do Papa”. Além disso, a música de fechamento, “Numa cidade muito longe daqui”, de Leandro Sapucahy, foi trocada por “Lado A, lado B”, do Rappa.



Versão menos explicativa

A nova narração de Moura, na voz do protagonista, menos explicativa do que a da versão anterior, deixa mais espaço para que brilhe a câmera ágil do diretor José Padilha. A ação toma conta da tela em ritmo acelerado, e a tensão persiste mesmo nas cenas mais calmas, graças à atuação acertada do trio principal. A performance de Moura merece destaque, já que o ator rende um nível tão elevado de verdade a seu personagem que é até possível esquecer que ele é o vilão da atual novela das 20h.

Mas, acima de tudo, a versão final do filme enfatiza o pulo do gato do roteiro, aquele detalhe quase imperceptível que pode ser o segredo do diretor na conquista do público. Apesar de a trama ser narrada por Nascimento, o veterano do Bope que já está cansado de todos os podres e vícios do sistema, as imagens induzem a platéia a se identificar com a dupla de iniciantes, Neto e Matias.

Ingênuos, inexperientes, idealistas e afoitos por ação, os dois guiam nosso olhar pelo universo ultraviolento dos quartéis de polícia e das favelas. Como eles, vibramos a cada perseguição e sentimos náusea ao ver corrupção. Como eles, enxergamos heróis atrás da farda negra do Bope, pela falta de outros heróis.

Comente:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

1) Você é responsável pelo que comenta
2) Seu IP foi registrado. Procure saber o que significa.
3) Comente sempre!