Surge o primeiro partido da Internet: o Partido Pirata!

Por | 15:36


O Partido Piratas do Brasil (Piratas), que na segunda-feira publicou no Diário Oficial da União (DOU) o programa partidário e o estatuto da sigla, conseguiu arrecadar, desde 2012, mais de R$ 20 mil em campanha pela internet. O dinheiro foi usado para pagar a publicação no DOU, que custou R$ 11.844,30, e deverá ser destinado também às próximas despesas necessárias para formalizar o partido, como o aluguel de uma sala em Brasília para se tornar a sede da legenda. O partido tem consciência dos trâmites e burocracias para registrar a sigla e trabalha para registrar a legenda até 2015 e concorrer às eleições de 2016.

O partido levou um ano, desde a data de fundação, para publicar o estatuto no Diário Oficial, em função do valor cobrado para o serviço e só o conseguiu graças a  mais de R$ 20 mil com doações de pessoas físicas. É o  primeiro partido que surge na internet e o primeiro com financiamento coletivo.

Após registrar o partido no cartório, os piratas vão iniciar a coleta das 500 mil assinaturas necessárias para formalizar o partido, de acordo com a Lei dos Partidos Políticos. A meta é até setembro de 2015, ter as 500 mil assinaturas; caso consigamos isso, estaríamos aptos pra lançar candidatos pra 2016.

Baseado prioritariamente na plataforma digital, o Partido Pirata arrecada para si um público que, até então, parecia afastado da política partidária: o jovem que cresceu em frente ao computador e não se via representado por políticos ditos tradicionais.

"O perfil dos piratas varia muito, mas há uma grande parcela de jovens. E a intenção é, justamente, com o tempo, mostrar que já é um espaço para os jovens participarem ativamente, levarem suas propostas. O Piratas é para ser um espaço para propor e aprimorar ideias. O nosso foco, com certeza, deve ser a juventude", explica o coordenador da região Sul do partido.

O Partido Pirata, que surgiu na Suécia em 2006 e se ramificou por outros países da Europa, foi montado no Brasil ainda em 2008. No entanto, somente em 2012, paralelamente à Campus Party de Recife, a legenda foi fundada no País.

Segundo Fabricio, há cerca de 500 membros do partido no Brasil que preencheram a ficha de pré-associação, manifestando a vontade de se filiar à legenda quando ela for oficializada. Os piratas discutem diariamente, via redes sociais e bate-papo online, pautas do interesse do partido em criação.

Os piratas afirmam que se diferenciam dos outros partidos, existentes ou em formação, por dois motivos: na forma de organização da legenda e na plataforma. Enquanto oss partidos tradicionais, tanto de esquerda como de direita, são partidos verticais, centralizadores, em que o poder está concentrado na mão de um pequeno grupo de políticos, o Partido Prita é uma democracia direta: todos os filiados, todos os ativistas, podem construir as políticas do partido, podem propor projetos, votar. Os presidendes do partido não possuem poder, apenas representam a decisão de todos os filiados em deliberações via internet.

O segundo ponto de diferenciação é a plataforma pirata mesmo. Temos uma grande preocupação, por exemplo, com o livre compartilhamento de dados, somos favoráveis à livre circulação de dados, como filmes, músicas, livros, tudo que seja importante para o aprimoramento da sociedade.

Retirei daqui




Comente:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial