Cinco dicas para evitar doenças respiratórias no verão

Por | 17:22 Comente



  Uma recente pesquisa realizada na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) comprova que o acúmulo de partículas e gases nocivos lançados na atmosfera, principalmente nas épocas mais quentes do ano, funciona como gatilho de doenças respiratórias preexistentes.

A poluição, o clima seco e as altas temperaturas, quando somadas, formam uma equação perfeita para o aumento do índice de infecções respiratórias e pneumonias .

O objetivo do estudo foi avaliar a relação entre a concentração diária dos poluentes atmosféricos emitidos pela frota automotiva na cidade de São Paulo e o número de consultas diárias realizadas no serviço de emergência do Hospital São Paulo, ligado à Unifesp.

Durante três anos, foram analisados 177.325 casos, atendidos pelo Serviço de Emergência da instituição. Dentre eles, 137.530 atendimentos foram por doenças respiratórias. Os dados foram fornecidos pelo SAME (Serviço de Arquivo Médico e Estatísticos) da Unifesp ligado ao Hospital São Paulo.

A pesquisa selecionou quatro das doenças mais comuns para uma análise detalhada. Infecção de vias aéreas superiores, como sinusite, faringite, e amidaglite, corresponderam a 72% das admissões. Gripes em geral 12%; pneumonia 9% e asma 7%.

O maior grupo atendido no serviço de emergência foi o de menores de 13 anos. Na sequência, pacientes com idades de 40 a 65 anos, 30 a 39, maiores de 65 e de 13 a 19 anos. Foi significativa a associação do aumento da concentração dos poluentes com a gripe influenza entre jovens de 13 a 19 anos e em idosos maiores de 65 anos. Levantamentos feitos anteriormente em prontos-socorros da capital paulista indicam que em épocas de tempo seco o movimento para o setor de inalação aumenta entre 15% e 30%.

O recorte da longa pesquisa, embora limitado, pode ser usado para ilustrar a realidade de outras capitais. "O tempo seco e a baixa umidade relativa do ar permitem que os poluentes permaneçam mais tempo em suspensão no ar, um fator aditivo que contribui para causar desconforto respiratório na população em geral", afirma a fisioterapeuta e pesquisadora da Unifesp, Silvia Letícia Santiago.

Para contradizer as estatísticas e diminuir os riscos de doenças respiratórias, Silvia lista cinco dicas simples que podem ser incorporadas ao dia a dia:

1 - Mantenha as mucosas sempre úmidas. Para isso, é preciso ingerir muito líquido. O aconselhavel é três litros de água nos dias muito quentes

2 - Idosos e crianças exigem atenção dobrada, pois a mucosa deles resseca muito mais rápido. O metabolismo do idoso cai com a idade. As crianças gastam muita energia, o que contribui para a perda de umidade. Nem sempre eles pedem água ou dizem estar com sede. Ofereça líquidos com frequência 

3 - Utilize toalha úmida, umidificadores caseiros ou bacias de água nos ambientes mais fechados. No trabalho, um balde de água em baixo da mesa ajuda bastante diminuir a secura do ar

4 - Evite exercícios físicos entre 10h da manhã e 4h da tarde. Nesse período, no verão, a liberação de ozônio é maior. Consequentemte, respiramos mais o poluentes

5 - Fuja de locais fechados. Ambiente arejado, bem ventilado e limpo afasta os riscos de doenças respiratórias

Lívia Machado, iG São Paulo



Comente:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

1) Você é responsável pelo que comenta
2) Seu IP foi registrado. Procure saber o que significa.
3) Comente sempre!